Avaliação do impacto ambiental de um incêndio florestal pelo método ad hoc

Publicado na Semana de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão da UNICENTRO.
O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos de um incêndio florestal sobre uma área de vegetação nativa, de forma qualitativa, por meio da utilização do método ad hoc, amplamente utilizado na avaliação de impactos ambientais em EIA/RIMAs e processos de licenciamento de empresas. De um modo geral, o solo, a flora e a fauna do local apresentaram efeitos negativos, porém mostraram sinais de rápida recuperação.
Autores:
O entendimento do ambiente como um todo, deve ser sistemicamente inserido nas discussões das mais diversas áreas do conhecimento. Considerando os impactos do fogo nos ecossistemas, percebe-se que também podem ser positivos, promovendo a renovação da natureza e acelerando alguns processos ecológicos, como p.ex. favorecendo a abertura de cones e pinhas em coníferas (Fernandes et al., 2005).

Odum e Barrett (2007) mencionam que a ação dos incêndios de superfície – aqueles que ocorrem no solo – pode possuir impacto bastante seletivo sobre a biota, e também, pode mais rapidamente tornar disponíveis os nutrientes minerais deste solo (reiterado por Rheinheimer et al. 2003), suplementando a ação de bactérias que fixam o nitrogênio atmosférico. Por outro lado, existe um consenso sobre a gravidade dos incêndios florestais, que ao fugirem do controle, são responsáveis pela destruição das florestas, seja de causa natural ou criminosa, causando fortes danos à fauna e à flora local (Miranda, 2007). Segundo Soares (1992), é importante se conhecer outros aspectos dos incêndios, como tipo de vegetação atingida, superfícies queimadas e fauna afetada.

Um dos métodos utilizados na avaliação de impactos ambientais é o método ad hoc, o qual possibilita sua classificação, principalmente quanto à magnitude do evento. O objetivo deste trabalho foi avaliar os impactos ambientais de um incêndio florestal sobre uma área de vegetação nativa, de forma qualitativa, por meio da utilização do método ad hoc, amplamente utilizado na avaliação de impactos ambientais em EIA/RIMAs e processos de licenciamento de empresas.

Material e Métodos

A pesquisa foi realizada no mês de setembro do ano de 2008, na área interna do Campus Universitário de Unicentro (Irati, Paraná). O Campus está localizado no paralelo 25º27’56″ de latitude Sul com interseção com o meridiano 50º37’51″ de longitude Oeste e a 150 km de Curitiba. Encontra-se na região do segundo planalto paranaense, com clima tipo Cfb (temperado, classificação de Köppen), com geadas freqüentes no inverno.
É importante lembrar que nesta época do ano são freqüentes as ocorrências de incêndios na região. Nos casos em que o fogo ocorre naturalmente (pela ação de raios), seu controle é facilitado pela ação das chuvas que os sucedem.

O trabalho foi desenvolvido em uma área de vegetação nativa (Floresta Ombrófila Mista), em estágio de sucessão ecológica inicial (capoeira). O incêndio teve início provavelmente pela ação intencional de pessoas que se deslocam na área. Esta ocorrência durou cerca de quatro horas, queimando superficialmente uma área de aproximadamente dois hectares, e foi controlada naturalmente devido à umidade do local, Foram avaliados os fatores solo, flora, insetos, fauna, corpos hídricos, qualidade do ar, saúde e segurança. A avaliação foi feita sete dias após a ocorrência, de forma qualitativa, por meio do método ad hoc, classificando o impacto ambiental de acordo com as siglas mostradas na Tabela 1.

As avaliações foram feitas em três pontos, distantes cinqüenta metros entre si, por meio da observação visual do local. Foi feito o relacionamento de cada fator com a característica do impacto do fogo no local. Após a avaliação nos três pontos, foi feita a média e a caracterização total da área quanto ao impacto sofrido.

Resultados e DiscussãoDe um modo geral, a área apresentou rápidos sinais de recuperação (Tabela 2). O solo estava danificado superficialmente, a uma profundidade de aproximadamente cinco centímetros. A partir dessa profundidade já se encontrava umidade, com o solo apresentando poucos sinais de compactação.

Foi verificada a existência de germinação de sementes de algumas espécies herbáceas, indicando sua rápida recuperação. A parte radicular das plantas arbustivas e arbóreas não foi afetada. Observou-se que o ritidoma (casca externa) das plantas arbóreas as protegeu parcialmente do fogo.

Com relação à presença de insetos, verificou-se a existência de formigas (comprovando que o impacto no subsolo foi baixo, pois muitos formigueiros são subterrâneos), borboletas (que são polinizadores de plantas) e joaninhas (que são predadores de outros insetos). Não foi constatada a presença de outros tipos de animais no local. O fogo pode ter espantado pássaros, pequenos roedores, répteis e anfíbios que vivem no sub-bosque.

O local não apresentava corpos hídricos, portanto neste aspecto o efeito foi nulo. Quanto ao ar, não apresentava sinais de poluição. Quanto a saúde e segurança de pessoas, o efeito também foi nulo, pois as pessoas que residiam nas áreas adjacentes ao Campus universitário não demonstraram problemas respiratórios.

Conclusões

De um modo geral, o solo, a flora e a fauna do local apresentaram efeitos negativos, porém mostraram sinais de rápida recuperação dada a magnitude da ocorrência analisada (incêndio superficial).Nenhum fator avaliado apresentou efeitos negativos irreversíveis.

Todos os efeitos negativos puderam ser classificados como recuperáveis a curtos e médios prazos.Muito embora os resultados apresentados sejam subjetivos, infere-se que houve efeitos positivos no banco de sementes do solo (quebra de dormência). Reitera-se também que o método usado na avaliação demonstrou ser eficiente na avaliação do impacto ambiental da área.


Referências Bibliográficas

Fernandes, P., Botelho, H., Rego, F. 2005. A Piroecologia do Pinheiro Bravo. Silva Lusitana 13(2): 233 – 248.
Miranda, D. L. C. (Impacto de Incêndios Florestais na Fitossociologia de Capões de Araucaria na Região de Palmas PR). Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil, Caxambu – MG. 2007.
Odum, E.P.; Barrett, G.W. 2007. Fundamentos de Ecologia. Ed. Thomson Learning. 632p.
Rheinheimer, D.S., Santos, J.C.P., Fernandes, V.B.B., Mafra, A.L., Almeida, J.A. 2003. Modificações nos atributos químicos de solo sob campo nativo submetido à queima. Ciência Rural, Santa Maria, v. 33, n. 1, p. 49-55.
Soares, R. V. (Ocorrência de Incêndios em Povoamentos Florestais). Revista Floresta. 22 (1/2). p. 39-56, 1994.

Para citar esse texto:

RETSLAFF, F. A. S. ; OLIVEIRA, F. M. ; SANTOS, R. C. ; FARIA, A. B. C. . Avaliação do impacto ambiental de um incêndio florestal pelo método ad hoc. In: SIEPE 2009 – Semana de Integração Pesquisa, Ensino e Extensão 2009, 2009, Irati. Anais…

Tags:

Os comentários estão fechados.